conecte-se conosco



GERAL

Alcoólicos Anônimos só para mulheres tem impacto positivo

Dados são de estudo realizado por pesquisadores da USP.

Compartilhe

Publicado

em

Foto: Arquivo / Marcelo Camargo / Agência Brasil

Uma pesquisa sobre o alcoolismo feminino nos grupos de Alcoólicos Anônimos (AA) mostra que o tratamento das mulheres pode ser mais eficiente quando os encontros dos participantes são realizados apenas com pessoas do sexo feminino. O estudo, conduzido por pesquisadores da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH-USP), foi publicado na revista Drug and Alcohol Review .

Segundo o autor da pesquisa, o professor Edemilson de Campos, as mulheres relataram sentirem-se menos acolhidas e mais expostas nos grupos mistos. O programa terapêutico do AA se baseia no compartilhamento de experiências e de vivências.

“Nas reuniões onde elas participam com os homens, muitas vezes elas têm dificuldade para expor questões íntimas, questões mais pessoais, que envolve, por exemplo, a questão da sexualidade ou questões afetivas. Elas se sentem intimidadas pelos homens e também, em alguns casos, se referem a assédio, a brincadeiras sexistas, que os homens fazem”.

“Pelo que eu constatei, em entrevistas e também na observação dessas reuniões, algumas mulheres conseguem participar de reuniões mistas, mas a maioria ou a maior parte não consegue, elas acabam muitas vezes abandonando o tratamento por conta disso”, acrescentou.

O pesquisador ressalta que o alcoolismo feminino enfrenta preconceito maior na sociedade do que o masculino. Segundo ele, a mulher alcoólatra é muito mais estigmatizada, ou seja, mesmo que sofra da mesma doença, ser dependente de álcool para a mulher é mais “desonroso” do que para o homem.

“O uso de bebidas alcoólicas por homens e mulheres a sociedade vê de forma diferenciada. Para a sociedade, a mulher assumir que ela tem o alcoolismo é uma questão difícil, existe um preconceito muito forte da mulher alcoolista, e da mulher que bebe também. Isso dificulta para que ela assuma que está realmente dependente do álcool. É um problema da sociedade como um todo, que reflete no próprio AA”.

Segundo o último inventário feito pelo AA, em 2018, cerca de 13% dos participantes eram mulheres. Na capital paulista, de acordo com o pesquisador, dos 120 grupos existentes na cidade, apenas dois realizam reuniões exclusivamente femininas.

“E é nesse espaço feminino, da reunião feminina, que as mulheres se sentem mais acolhidas. Entre pares, entre iguais, enfim, do ponto de vista de gênero, aí elas conseguem compartilhar melhor as suas experiências. Esse espaço de gênero é muito importante para a recuperação das mulheres”.

Agência Brasil

Compartilhe
CONTINUE LENDO

GERAL

Mega-Sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 100 milhões

Próximo sorteio será no sábado.

Compartilhe

Publicado

em

Foto: Marcello Casal Jr. / Agência Brasil

O concurso 2.484 da Mega-Sena, realizado nesta quarta-feira (25) à noite no Espaço Loterias da Caixa em São Paulo, não teve acertadores das seis dezenas. Os números sorteados foram: 11 – 14 – 36 – 41 – 54 – 59.

O próximo concurso (2.485), no sábado (28), deve pagar um prêmio de R$ 100 milhões.

A quina teve 121 ganhadores e cada um vai receber R$ 45.019,83. Os 7.558 acertadores da quadra receberão o prêmio individual de R$ 1.029,63.

As apostas podem ser feitas até as 19h (horário de Brasília) do dia do sorteio, em qualquer lotérica do país ou pela internet, no site da Caixa Econômica Federal.

A aposta simples, com seis dezenas, custa R$ 4,50.

O sorteio é realizado às 20h, no Espaço Loterias Caixa, no Terminal Rodoviário do Tietê, em São Paulo.

Agência Brasil

Compartilhe
CONTINUE LENDO

GERAL

Zelensky na abertura de Davos: Ucrânia é precedente para o que pode acontecer no mundo

Presidente ucraniano falou na inauguração do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, que acontece esta semana após dois anos cancelado.

Compartilhe

Publicado

em

Foto: Ukrainian President's Office via Zuma Press Wire Service / dpa

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, apelou ao mundo que crie novas ferramentas para prevenir novas guerras. Zelensky falou ao público do Fórum Econômico Mundial, que começou nesta segunda-feira (23) e acontece ao longo desta semana em Davos, na Suíça.

“Vemos que o mundo escuta e acredita na Ucrânia, mas precisamos aprender a como prevenir esse tipo de guerra no futuro. Não esperem que a Rússia usem as armas químicas, biológicas e nucleares. Protejam a liberdade, para que a Rússia e qualquer outro país do mundo que pense em invadir seu vizinho tenha sanções imediatas”, discursou o presidente. “Nós oferecemos ao mundo um precedente do que pode acontecer quando uma guerra destrói a liberdade das pessoas”.

Muito aplaudido pela plateia do fórum, que este ano baniu a participação da Rússia, Zelensky propôs que o mundo crie um protocolo de atuação preventiva quando um país ameace atacar outro, aplicando sanções já nesse momento.

“É preciso que haja um precedente de punição aos agressores. Se o agressor perder tudo, isso será o preço que terminará com a motivação para que comece ou continue uma guerra. O mundo ainda não tem as ferramentas prontas para isso. A motivação para nós é muito simples: a humanidade deveria ter as ferramentas para se proteger contra a fome”.

Um dos principais pontos de debate em Davos será o preço para a reconstrução da Ucrânia, já estimado em trilhões de euros por autoridades da União Europeia, e formas de financiá-lo.

Zelensky na abertura de Davos: Ucrânia é precedente para o que pode acontecer no mundo

Compartilhe
CONTINUE LENDO

GERAL

Massa de ar frio começa a se dissipar, mas temperatura ainda é baixa

Previsão para este domingo é de geada no Sul e no Sudeste,

Compartilhe

Publicado

em

Foto: Fernando Frazão / Agência Brasil

A massa de ar frio que atingiu o Brasil nesta semana ainda deixará as temperaturas em baixa, especialmente, nas regiões Sul e Sudeste do país neste fim de semana. De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), aos poucos essa massa começa a se dissipar, principalmente na porção centro-norte. A previsão para este domingo (22) é de geada no Sul e no Sudeste, na região entre Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro, no entorno da Serra da Mantiqueira.

Olívio Bahia, meteorologista do Inmet, aponta que o frio mais intenso deve perder força ao longo da próxima semana, mas as madrugadas e manhãs geladas devem permanecer no centro-sul do país. “É bem típico dessa época do ano [outono]. O Sol sai, dá aquela ligeira aquecidinha”, explicou. As máximas devem chegar a 22ºC mais ao Sul. “As localidades que ficam com temperatura quente é parte do Centro-Oeste, Norte, Nordeste, que também é normal ficar ali na casa acima de 30ºC”, pontuou.

A umidade também ficará baixa nas regiões mais frias. “Até o meio de semana, sem condição para chuva no centro-sul, pelo menos até quarta ou quinta-feira, então fica seco em parte do Brasil. A chuva fica concentrada mais no extremo norte do país, na faixa norte do Amazonas, do Pará, Amapá, Roraima, parte do Nordeste também, e no restante da área esse tempo seco, com umidade abaixo dos 30%”, destacou Bahia.

O meteorologista explica que o outono é um período de transição, em que se espera temperaturas frias, o que faz com a chegada da massa de ar frio não seja atípica, mas incomum. “Periodicamente, em algum momento, você tem uma entrada de ar frio, como foi o caso agora, parece que a estação fria mesmo começou mais cedo, o que a gente chama de variabilidade anual”, esclareceu. No Distrito Federal, por exemplo, foi registrada a temperatura de 1,4ºC, a mais baixa desde 1977.

Bahia acrescenta que não é possível afirmar que o inverno deste ano será mais rigoroso, mas é certo que houve uma antecipação de temperaturas normalmente observadas a partir de junho. “O frio é mais para frente, mas ele parece que já veio para ficar, já chegou com força”. Ele aponta que “a expectativa é que tenha periodicamente essas massas de ar frio entrando, de moderada a forte, até o final do inverno”.

Entre os cuidados necessários neste período, o meteorologista do Inmet destaca a prevenção de queimadas, tendo em vista a antecipação do período seco, a atenção às doenças respiratórias e o acolhimento da população de rua. “Daqui até o final do inverno, as noites vão ser um pouco mais ou um pouco menos, mas sempre agressivas, principalmente para quem está em situação de rua”, afirmou. Duas pessoas morreram na cidade de São Paulo nas noites mais frias desta semana.

Agência Brasil

Compartilhe
CONTINUE LENDO

Mais Lidas

novo