conecte-se conosco




BAHIA

Dengue na Bahia: doença desafia sistemas de saúde com mais de 170 cidades em epidemia

Prefeituras e governo destacam ações, mas cobram apoio da população.

Compartilhe

Publicado

em

Foto: CDC

Salvador, Feira de Santana e Juazeiro estão entre as 175 cidades baianas que enfrentam uma epidemia de dengue. Em nove delas, 16 mortes já foram registradas.

Até a quinta-feira (14), 14 pessoas tinham morrido por dengue na Bahia. Na sexta (15), a Secretaria de Saúde do estado (Sesab), informou que o número de óbitos pela doença subiu para 16 e que as duas novas mortes aconteceram em Piripá, cidade no sudoeste do estado. O perfil dos pacientes e a data das mortes não foram detalhadas.

Diante desse cenário, os municípios têm reforçado ações para atender o aumento de casos e, consequentemente, a pressão nos sistemas de saúde.

Na capital baiana, por exemplo, a Secretaria Municipal de Saúde se uniu ao Exército para combater o Aedes aegypti, agente transmissor da dengue, e também da zika e chikungunya.

O objetivo da mobilização é capacitar soldados para criar “multiplicadores” de práticas e informações de combate ao mosquito. Na prática, a força militar vai se juntar aos agentes de endemias do Centro de Controle de Zoonoses, repassando orientações preventivas para a população dentro e fora dos quarteis.

A diretora de Vigilância à Saúde da cidade, Andrea Salvador, destaca ainda o uso de “bombas costais” de efeito residual.

“Nós as utilizamos principalmente em escolas, postos de saúde, onde esse efeito residual, através dessas bombas, é colocar o inseticida nas paredes. Essas paredes ficam impregnadas e repelem o mosquito”, explica.

Em meio às ações do poder público, a diretora cobra que a população também colabore, prevenindo a proliferação do mosquito.

Já em Juazeiro, no norte do estado, a prefeitura relatou que atendeu mais de 250 denúncias de possíveis focos do Aedes aegypti através do canal “Dengue Zap”. A gestão criou a ferramenta para auxiliar na identificação e combate aos focos de reprodução do mosquito.

“Estamos com os agentes em campo, nos turnos matutino e vespertino e nos fins de semana em áreas que consideramos de risco ou com índice de infestação preocupante”, afirmou o agente de endemias Diego Alves.

Ele reforçou o pedido da prefeitura para que a população receba os agentes em casa, e permita que o trabalho de prevenção e combate à proliferação do Aedes aegypti seja feito.

Sobrecarga em Itabuna

O município de Itabuna ainda não enfrenta uma epidemia da doença. Mas a gestão do Hospital Manoel Novaes ressalta a sobrecarga na unidade — dados apresentados na quinta-feira (14) mostram que o número de atendimentos subiu 250%. A média de pacientes recebidos por dia passou de 50 para 125.

O hospital reforça que apenas casos graves devem ser direcionados para lá. Pacientes com quadros de saúde leves podem se dirigir a outras unidades de saúde da região.

Ações do estado

Em todo o estado, o governo da Bahia também intensificou ações de sensibilização e mobilização para prevenir as três doenças transmitidas pelo mosquito.

Até sexta-feira, prédios e outras estruturas públicas estaduais foram vistoriadas e as áreas foram limpas, visando a eliminação de possíveis criadouros. Funcionários também foram instruídos a colaborar com a campanha.

O Corpo de Bombeiros, em parceria com a Sesab, também realizou ações de combate específicas nas cidades de Caculé e Barra do Choça, onde uma pessoa morreu.

“O combate e a prevenção às arboviroses é um trabalho conjunto, que envolve estado, município e também a população. Precisamos desse esforço conjunto, de cada um fazendo a sua parte, para contermos o avanço do Aedes aegypti em toda a Bahia”, pontuou a titular da pasta, secretária Roberta Santana.

Até o final da próxima semana, a corporação ainda irá aos municípios de Belo Campo, Carinhanha, Encruzilhada, Feira da Mata e Caetité.

Conteúdo G1

Compartilhe
CONTINUE LENDO

BAHIA

Aluguel de casa para o São João no interior da Bahia chega a R$ 15 mil

Existem municípios que recebem um número de pessoas 5 vezes maior que o da população.

Compartilhe

Publicado

em

Foto: Olga Leiria / Ag. A TARDE

Mais de 30 atrações musicais em cinco ou seis dias de festa e, em média, 130 horas de forró. Além de muito licor e delícias típicas juninas. Esses são os principais atrativos das cidades interioranas com tradição nas celebrações de São João, que atraem visitantes de todo o estado e de outros lugares do país. O período é uma ótima oportunidade para quem tem imóveis para alugar: a depender da localização e espaço da casa, é possível faturar até R$ 15 mil.

Em Amargosa, um dos destinos mais tradicionais para esse período, que fica a 257 quilômetros de Salvador, a expectativa é que a população de 36.500 habitantes quintuplique: a prefeitura estima a chegada de 200 mil turistas durante os seis dias de São João. A lotação já é alta em hotéis e pousadas, mas ainda há casas para alugar. “Essa movimentação faz com que, segundo o Banco Central, haja um incremento na poupança dos moradores e 75% das dívidas bancárias da população sejam quitadas após as festas juninas”, comenta o prefeito da cidade, Júlio Pinheiro.

Mais perto da capital, em Cachoeira, a expectativa também é alta. O corretor Jaelson Calumbi já alugou cinco imóveis e conta que, desde o início de maio, houve um aumento do número de clientes que o procuram para disponibilizar seus imóveis nessas datas. “Dentro do circuito da festa, os aluguéis ficam, em média, entre R$ 3,5 mil e R$ 4 mil. Mas uma casa maior, de cinco quartos, por exemplo, pode chegar a R$ 7 mil”, avalia.

Segundo o corretor, quem está disposto a se afastar um pouco do centro em que tudo acontece, pode pagar um pouco menos. A cinco ou 10 minutos de distância, os aluguéis caem para R$ 2,5 mil ou R$ 3 mil. Se o imóvel ficar ainda mais distante da festa, é possível alugar por R$ 1,5 mil. “Este ano, a procura está maior do que em 2023, quando ainda sentimos um eco da pandemia de Covid-19. Agora, mesmo antes de divulgarem a programação da festa, o movimento já estava mais intenso”, diz.

A comerciante Sandra Souza, moradora de Cachoeira, concorda. Até o momento, ela já alugou oito imóveis para o São João. “Como eu sempre tive comércio no centro e sou bastante conhecida na cidade, comecei a alugar os meus próprios imóveis por temporada. Depois, os amigos e vizinhos pediram para alugar os deles no São João”, conta ela, que, há 10 anos, é uma espécie de corretora involuntária. A maior parte das casas que aluga têm dois ou três quartos, ficam no centro da cidade e podem custar até R$ 6 mil.

Orientações e cuidados

Sandra Souza conta que nunca teve problemas ao final dos aluguéis de temporada, mas ressalta que adota precauções para receber de volta os imóveis no mesmo estado em que os entregou aos inquilinos. “Faço questão de ter um contrato, que explicita tudo o que tem e não tem na casa. Sempre entrego as chaves em mãos dos locatários, mesmo que eu precise trabalhar até as duas ou três da manhã, quando muita gente chega à cidade”, relata.

Fábio Braga, delegado do Conselho Regional dos Corretores de Imóveis (Creci-BA) em Santo Antônio de Jesus, outro destino popular no São João, conta que muita gente aluga a própria residência durante o período de festas e vai ficar na casa de familiares, para garantir uma renda extra. “Os aluguéis vão de R$ 2 mil até R$ 15 mil e a procura aumenta ainda mais nos 15 dias antes do início da festa”. O especialista alerta, no entanto, que é recomendável adotar algumas medidas para que a tentativa de lucro não vire dor de cabeça.

A primeira delas é entender e definir para que perfil de locatário se deseja alugar. “Grupos de jovens, que geralmente consomem mais álcool nos festejos, podem representar mais risco de algo dar errado no imóvel. Você pode preferir alugar para famílias ou casais”, diz o delegado do Creci-BA.

Braga recomenda que sempre seja feito um contrato de locação, no qual deve constar o limite de pessoas para o imóvel e um inventário de todos os bens presentes nele. “É importante fazer uma vistoria em fotos e vídeos, testando os equipamentos e aparelhos, para comprovar que os eletrodomésticos e demais equipamentos estavam em perfeito funcionamento antes da chegada dos inquilinos”, acrescenta. Essa vistoria deve ser repetida ao fim do período de locação.

O corretor também destaca a possibilidade de pedir um calção do aluguel como garantia. Sobre os custos com água e energia, ele aconselha aos locadores chegar os medidores de água e eletricidade ao final da estadia dos locatários, calcular o gasto e cobrar deles. “Se possível, inclua no valor do aluguel a taxa de serviço de limpeza e manutenção realizadas por alguém de sua confiança”, orienta. Assim, além de garantir a boa higiene do imóvel, os proprietários podem ter uma segurança extra para evitar surpresas desagradáveis.

A Tarde

Compartilhe
CONTINUE LENDO

BAHIA

Chuvas abaixo da média na Bahia previstas para junho podem afetar safra de milho, aponta Inmet

A previsão do Inmet indica que as temperaturas deverão ser acima da média em todo o país.

Compartilhe

Publicado

em

Foto: Reprodução / Conexão Agrio

A Bahia terá chuvas abaixo da média neste mês de junho, o que poderá reduzir os níveis de umidade no solo e, consequentemente, a produção na safra de grãos 2023/24, em especial, o milho. A previsão do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) indica que o cenário de baixas chuvas deve se repetir em diversos estados da região Nordeste e parte do Norte, em especial, as áreas do sistema produtivo Matopiba (região que engloba os estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia).

Considerando o prognóstico climático do Inmet para junho de 2024 e seu possível impacto na safra de grãos 2023/24, essa falta de chuva deve ser ainda mais severa em áreas dos estados do Piauí e Bahia, “ocasionando restrição hídrica para o milho segunda safra”.

De acordo com a previsão do Inmet, além do interior do Nordeste brasileiro, as regiões Centro-Oeste e Sudeste, bem como o sul da Região Norte, e oeste da Região Sul, têm previsão de chuvas próximas e abaixo da média climatológica. No entanto, o Instituto ressalta que, nesta época do ano, há uma tendência de redução das chuvas na parte central do Brasil.

Por outro lado, o mês de junho deve ter chuvas acima da média na faixa norte da Região Norte, leste da Região Nordeste, além de áreas pontuais do Maranhão, Piauí e Ceará, associadas ao aquecimento do Atlântico Tropical. Ainda de acordo com o prognóstico climático do Inmet para junho de 2024, a previsão é de chuvas acima da média na faixa norte e leste da Região Nordeste – diferente do cenário de Piauí e Bahia. Isso deve gerar bons índices de umidade no solo e, consequentemente, deve beneficiar a semeadura e o início do desenvolvimento do milho e feijão terceira safras.

TEMPERATURA

A previsão do Inmet indica que as temperaturas deverão ser acima da média em todo o país, principalmente na porção central, devido à redução das chuvas, com possibilidade de ocorrerem alguns dias de excesso de calor em algumas áreas. Nas regiões Norte e Nordeste, as temperaturas podem ultrapassar 26ºC.

Na Região Centro-Oeste e norte da Região Sudeste, as temperaturas devem variar entre 20ºC e 24ºC, enquanto a Região Sul, são previstos valores menores, inferiores a 20ºC. Já em áreas de maior altitude da região sul e sudeste, são previstas temperaturas próximas ou inferiores a 14ºC.

“Não se descartam a ocorrência de geadas em algumas localidades, especialmente aquelas de maior altitude, devido à entrada de massas de ar frio que podem provocar declínio de temperatura, o que é muito comum nesta época do ano”, completou o Inmet.

Bahia Notícias

Compartilhe
CONTINUE LENDO

BAHIA

Acidentes com motos são quase a metade de ocorrências na BR-324, afirma PRF na Bahia

Neste ano o alerta já foi ligado.

Compartilhe

Publicado

em

Foto: Divulgação / PRF na Bahia

Os acidentes com motocicletas na BR-324 [entre Feira de Santana e Salvador] chegaram quase a metade do total de ocorrências com vítimas em 2023. Do total de 624 ocorrências, 272 ou 43,59% envolveram motocicletas, motonetas, ciclomotores e similares. Trinta pessoas ficaram feridas e 11 morreram, informou nesta quinta-feira (23) a Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Neste ano o alerta já foi ligado. Até o final de abril já foram registrados 115 acidentes, com 13 vítimas graves e três pessoas mortas. Entre as principais causam estão “falta de atenção à condução”, “desrespeito às normas de trânsito”, “não guardar distância de segurança” e “transitar com a motocicleta entre as faixas”.

A PRF informou também que andar muito próximo à traseira de caminhões e ônibus aumenta o risco de colisões, pois pode não haver tempo para reação no caso de um desses veículos frear ou desviar de algo sobre a pista, como um buraco ou outro objeto.

Veículos de carga oferecem também risco de arremesso de pequenas partes da carga (como grãos), bandagens de pneus e até mesmo peças que podem se soltar. A distância também deve ser respeitada entre veículos pequenos.

Bahia Notícias

Compartilhe
CONTINUE LENDO

Mais Lidas