conecte-se conosco




BRASIL

Lei Seca completa 16 anos com aumento de mortes e acidentes nas rodovias federais em 2024

Publicado

em

Segundo levantamento da PRF, a combinação de álcool e direção matou 77 pessoas em 1.507 sinistros(acidentes) registrados entre janeiro e maio deste ano. Já na comparação entre 2023 e 2022 PRF informa que casos caíram

O número de mortos e de sinistros de trânsito causados pela ingestão de álcool pelo motorista aumentou, respectivamente, 22% e 7% nas rodovias federais brasileiras em 2024.

Segundo levantamento feito pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) a pedido da Associação Mineira de Medicina do Tráfego (Ammetra), 77 pessoas perderam a vida em 1.507 acidentes ocorridos entre janeiro e maio deste ano. No mesmo período do ano passado, 63 pessoas morreram em 1.409 sinistros.

“É inaceitável que 16 anos após a criação da Lei Seca o Brasil ainda registre aumento no número de mortos em eventos evitáveis causados pela associação perigosa e criminosa entre álcool e direção por motoristas que insistem em desprezar a vida”, comenta o diretor científico da Ammetra, Alysson Coimbra.

O levantamento revelou que foram realizadas 18.705 operações da Lei Seca no Brasil neste período. As fiscalizações resultaram na aplicação de 4.013 infrações por constatação de direção sob efeito de álcool, mas o número pode ser muito maior, já que 17.332 infrações foram registradas por recusa ao teste de alcoolemia. “Fica muito difícil acreditar que quem se recusa a fazer o teste do bafômetro não tenha bebido. Quem recusa tem medo de ser enquadrado automaticamente em crime de trânsito. Essa é, infelizmente, mais uma das inexplicáveis brechas da lei”, afirma o especialista.

Segundo o médico especialista em Tráfego, o aumento de 22% das mortes é alarmante porque indica, pela primeira vez desde 2019, que a sequência de queda no número de sinistros e mortes provocados pela bebida pode ser interrompida.

Leia mais AQUI!

Compartilhe
CONTINUE LENDO

BRASIL

Inscrição para concurso da Justiça Eleitoral termina na próxima quinta

Provas serão aplicadas em 22 de setembro.

Compartilhe

Publicado

em

Foto: Marcello Casal Jr. / Agência Brasil

As inscrições para o concurso unificado da Justiça Eleitoral terminam na próxima quinta-feira (18), às 18h, no horário oficial de Brasília. Ao todo, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e 26 tribunais regionais eleitorais (TREs) oferecerão 412 vagas para 21 cargos das carreiras de analista e de técnico judiciário, ambos de nível superior de ensino, em diversas especialidades.

O concurso irá preencher vagas de cargos efetivos dos quadros de pessoal da Justiça Eleitoral, além da formação de cadastro reserva. O cargo com a maior oferta é o de técnico judiciário – área administrativa, com 208 vagas.

A remuneração mensal para analista judiciário é R$ 13.994,78 e para técnico judiciário, R$ 8.529,65, exceto para o cargo de técnico judiciário, na especialidade de agente da polícia judicial, de R$ 9.773,56. A jornada de trabalho será de 20 a 40 horas semanais, conforme o cargo de admissão.

O certame prevê ainda reserva de 20% de vagas para pessoas negras, 10% para pessoas com deficiência e 3% para indígenas.

Inscrição

A inscrição deve ser feita pelo site do Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe), a empresa que organizará o concurso.

Para concorrer aos cargos, é necessário ter diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso de superior na área de atuação pretendida, fornecido por instituição de ensino superior reconhecida pelo Ministério da Educação, e registro no órgão de classe, quando requisitado.

A solicitação de inscrição com isenção de taxa também pode ser feita no mesmo endereço eletrônico. O edital prevê duas situações para o pedido de isenção. O candidato deve ser membro de família de baixa renda, inscrita no Cadastro Único para Programas Sociais do governo federal (CadÚnico), e ser doador de medula óssea em entidades reconhecidas pelo Ministério da Saúde, conforme a Lei nº 13.656/2018. A documentação referente à solicitação de isenção de pagamento da taxa de inscrição deve ser enviada de forma eletrônica no site do Cebraspe.

Para concorrer a uma das vagas reservadas a pessoas com deficiência (PcD), o candidato deverá enviar, via upload, [ https://security.cebraspe.org.br/CPNUJE_24/UPLOAD/PCD/ ] a imagem legível do laudo assinado por médico da área da deficiência do candidato, com a data de emissão de, no máximo, 36 meses anteriores ao último dia de inscrição neste concurso público.

Taxa de inscrição

A taxa de inscrição é R$ 130, para quem quer concorrer aos cargos de analista judiciário, e R$ 85, para os de técnico judiciário.

O prazo para o pagamento da taxa é até 9 de agosto. O candidato deverá usar a Guia de Recolhimento da União (GRU Cobrança), gerada na conclusão do preenchimento da ficha de inscrição online, no site do Cebraspe. O documento pode ser pago em qualquer banco, em casas lotéricas e agências bancárias. Se o candidato optar pelo pagamento via Pix, deve usar o QR code apresentado na GRU Cobrança.

Fases

A seleção ocorrerá por meio da aplicação de provas objetivas para todos os cargos; prova discursiva somente para os postos de analista judiciário; teste de aptidão física somente para agente da polícia Judicial; e avaliação de títulos somente para os cargos de analista judiciário.

Todas as fases do concurso serão realizadas nas capitais dos 26 estados da federação e no Distrito Federal. E as provas objetivas e discursiva serão aplicadas de forma simultânea em 22 de setembro de 2024.

Distribuição dos cargos

O edital do certame e as respectivas retificações do documento foram publicados no Diário Oficial da União e podem ser consultados na página eletrônica do Cebraspe.

De acordo com o documento oficial, os cargos para várias especialidades serão distribuídos entre os tribunais regionais eleitorais participantes de 26 unidades da Federação. Apenas o TRE do Tocantins não participará do concurso unificado, porque ainda há concurso válido na unidade.

As vagas para o cargo de analista judiciário, são para diversas especialidades, como administrativa, contabilidade, arquitetura, arquivologia, biblioteconomia, enfermagem, engenharia civil, engenharia elétrica, engenharia mecânica, estatística, medicina (clínica médica), medicina (psiquiatria), medicina do trabalho, odontologia, psicologia, serviço social, tecnologia da informação. Há ainda vagas para área judiciária.

Já para os cargos de técnico judiciário, são três especialidades: administrativa, agente da polícia judicial e programação de sistemas

Mais informações podem ser obtidas no Cebraspe, por e-mail: [email protected] ; por telefone (61) 3448-0100; ou na Central de Atendimento ao Candidato do Cebraspe, de segunda a sexta, das 8h30 às 18h30, no endereço da sede do Cebraspe: Setor de Armazenagem e Abastecimento Norte (SAAN) Quadra 01, Lotes 1115 a 1145.

Agência Brasil

Compartilhe
CONTINUE LENDO

BRASIL

Vídeo mostra ônibus escolar com crianças caindo em rio de SC; motorista estava alcoolizado

Ao todo, 26 estudantes estavam no veículo e dois precisaram ser levados ao hospital.

Compartilhe

Publicado

em

Foto: Reprodução Youtube / TV Itatiaia

Um vídeo registrado por uma câmera de monitoramento mostra o momento em que um ônibus escolar com 26 estudantes, entre crianças e adolescentes, cai dentro de um rio na cidade de Aurora, no Vale do Itajaí, em Santa Catarina. A Polícia Militar identificou que o motorista consumiu álcool antes de conduzir o veículo.

O acidente na tarde de sexta-feira (12) deixou duas crianças feridas: um menino com suspeita de trauma cranioencefálico e uma menina com corte na cabeça. Outras crianças também apresentaram hipotermia.

Os feridos foram encaminhados ao Hospital Regional do Alto Vale, em Rio do Sul, cidade vizinha, e já receberam alta.

No veículo estavam o motorista e os 26 passageiros, entre 6 e 18 anos. Todos foram salvos, informou o Corpo de Bombeiros.

A Polícia Militar (PM) da região informou à NSC TV Blumenau que o condutor foi submetido ao teste de bafômetro que identificou 0,14 miligramas de álcool por litro de ar expelido.

O índice não configura crime, mas atesta a ingestão de bebida alcoólica – infração gravíssima – e pode resultar em multa e até na suspensão do direito de dirigir.

Pela lei, um teste do bafômetro não pode passar de 0,04 mg/l. De 0,05 mg/l a 0,33mg/l é considerada infração gravíssima e acima disso crime de trânsito.

A prefeitura de Aurora informou abrirá processo administrativo contra o motorista, funcionário efetivo da administração municipal. A Polícia Civil também vai investigar o caso.

Conteúdo G1

Compartilhe
CONTINUE LENDO

BRASIL

Técnica de enfermagem é condenada após tentar matar 11 recém-nascidos com morfina

Os recém-nascidos teriam recebido as medicações ainda nas primeiras seis horas de vida.

Compartilhe

Publicado

em

A técnica de enfermagem Vanessa Pedroso Cordeiro, de 40 anos, foi condenada a cumprir 51 anos e 8 meses de prisão por tentar matar 11 bebês recém-nascidos. A técnica aplicava, sem prescrição médica, uma mistura de morfina e sedativos, como diazepam, nos bebês ainda na maternidade. O caso ocorreu em 2009, no hospital da Universidade Luterana do Brasil (Ulbra), em Canoas (RS). No entanto, o júri que a levou a condenação só teve fim na madrugada desta sexta-feira (12), 15 anos depois do ocorrido.

Os recém-nascidos teriam recebido as medicações ainda nas primeiras seis horas de vida, tendo que ser, logo em seguida, levados a UTI neonatal por apresentarem problemas respiratórios e convulsões. Segundo as investigações, isso só acontecia nos plantões de Vanessa.

O hospital recorreu à polícia após notarem sucessivos casos em que bebês nasciam saudáveis e, horas depois, apresentavam os mesmos sintomas: moleza, desmaio e necessitavam, inclusive, da ajuda de respirador artificial. A técnica de enfermagem foi presa em flagrante após a polícia encontrar uma seringa com substância na pochete dela. O uso de morfina foi confirmado após um laudo pericial solicitado pelo Ministério Público. Vanessa ficou em prisão preventiva por quase um ano.

Durante o interrogatório, Vanessa confessou ter dado remédios aos recém-nascidos, sem afirmar qual era a medicação e quantas foram as vítimas. Ela relatou que as substâncias eram ministradas em uma seringa na boca dos bebês e que, na época, não tinha conhecimento do transtorno mental que a acomete.

— Não conseguia parar de fazer mesmo sabendo que era errado. O que lembro é que nunca virei as costas para nenhuma delas (referindo que auxiliou no socorro) — disse Vanessa.

Uma das testemunhas utilizadas pela defesa de Vanessa foi o psiquiatra forense Silvio Antônio Erne, contratado como assistente técnico. O psiquiatra garantiu que a ré possui um transtorno de personalidade do tipo impulsivo e instável, com dificuldade de conter impulsos.

Conteúdo: Voz da Bahia

Compartilhe
CONTINUE LENDO

Mais Lidas