conecte-se conosco



BAHIA

Orçamento secreto: 23 deputados baianos não entregaram dados ao STF sobre emendas

Publicado

em

Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil

Dos 39 deputados baianos em exercício, apenas 18 indicaram quais emendas de relator apoiaram no Orçamento de 2020 e 2021. Em relação aos senadores, todos os três entregaram, mas apenas um detalhou o valor das emendas. O senador Angelo Coronel (PSD-BA) omitiu os valores em sua prestação de contas, segundo o colunista Lauro Jardim. A levantamento previa a inclusão de dois suplentes que estiveram em exercício durante a atual legislatura.

As informações estão contidas em 100 documentos que foram enviados pelo Congresso Nacional ao Supremo Tribunal Federal (STF) em resposta à decisão da ministra Rosa Weber, de novembro de 2021, que determinou a prestação de contas dos repasses feitos em 2020 e 2021.

Em abril, o Congresso informou ao STF que não conseguiu reunir os dados sobre a liberação das emendas de relator e que os relatores não detinham esses dados. Então, o próprio presidente do Congresso, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pediu essas informações aos parlamentares. Nesta segunda-feira (9), o Congresso enviou ao STF os documentos com as informações que foram solicitadas.

Em números gerais, 404 parlamentares responderam ao pedido da ministra, sendo 340 deputados e 64 senadores. O Congresso conta, normalmente, com 594 parlamentares, sendo 513 deputados e 81 senadores.

Veja a lista dos deputados federais baianos que não detalharam o recebimento ou não de emedas do relator:

  • Alice Portugal (PCdoB-BA);
  • Arthur Oliveira Maia (União-BA);
  • Bacelar (PV-BA);
  • Daniel Almeida (PCdoB-BA);
  • Félix Mendonça Júnior (PDT-BA);
  • Igor Kannário (União-BA);
  • João Carlos Bacelar (PL-BA);
  • João Roma (PL-BA);
  • Jorge Solla (PT-BA);
  • José Rocha (União-BA);
  • Joseildo Ramos (PT-BA);
  • Josias Gomes (PT-BA);
  • Lídice da Mata (PSB-BA);
  • Marcelo Nilo (Republicanos-BA);
  • Pastor Sargento Isidório (Avante-BA);
  • Paulo Magalhães (PSD-BA);
  • Professora Dayane Pimentel (União-BA);
  • Raimundo Costa (Podemos-BA);
  • Tito (Avante-BA);
  • Uldurico Junior (MDB-BA);
  • Valmir Assunção (PT-BA);
  • Waldenor Pereira (PT-BA);
  • Zé Neto (PT-BA).

Bahia Notícias

Compartilhe
CONTINUE LENDO

BAHIA

São João 2022 traz de volta a alegria e aquece as finanças

Após 2 anos de restrições, festa retoma suas características e incrementa a arrecadação dos municípios.

Compartilhe

Publicado

em

Foto: Luciano Carcará | Ag. A TARDE

Uma das maiores festas regionais do país e a mais popular do Nordeste, o São João da Bahia volta em 2022, após dois anos de pandemia, movido pela tradição do arrasta-pé, da música e das comidas típicas e, sobretudo, com a perspectiva de incremento econômico para os cofres públicos municipais e para quem tem no período uma alternativa de renda extra. Conforme a Superintendência de Estudos Econômicos da Bahia, os festejos juninos de 2019 arrecadaram mais de R$ 550 milhões e geraram 50 mil postos de trabalho, em todo o estado. Ainda segundo o órgão, o evento movimenta as finanças de, pelo menos, 311 municípios, ou seja, 74,5% de todo o território baiano, e essas cidades arrecadaram, no último São João, R$ 64,7 milhões.

A autorização das festas juninas na Bahia pelo governo estadual – decorrente da queda dos números de pessoas acometidas pela Covid-19 e do avanço da vacinação – veio acompanhada do anúncio, em abril, do Edital de Seleção Pública para a Celebração de Convênios de Cooperação Técnica e Financeira. A iniciativa, lançada por meio da Superintendência de Fomento ao Turismo do Estado da Bahia (Bahiatursa), teve como objetivo a viabilização do São João e das demais festas juninas. O fortalecimento de festejos em diversas localidades baianas tem, como consequência, “o aquecimento do turismo e da economia no mês de junho”, como ressaltou o governador Rui Costa, na ocasião.

O diretor-superintendente da Bahiatursa, Diogo Medrado, afirma que as expectativas para o São João 2022 são positivas. “Não temos como quantificar o público e a arrecadação, porque cada cidade realiza a sua festa. A nossa intenção, com o edital das prefeituras, foi justamente valorizar e fortalecer a tradição dos festejos juninos em todas as zonas turísticas da Bahia. Temos, sim, a perspectiva de ampliação de arrecadação, bem como do aumento do fluxo turístico dentro do próprio Estado da Bahia, com a presença de milhares de pessoas se divertindo e movimentando a economia de cada lugar, gerando emprego e renda”.

Para a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis – Bahia (Abih-BA), o São João se insere neste momento em que, aos poucos, o setor turístico vai recuperando o fôlego. “Foram dois anos sem as tradicionais festas que, além de entreter os baianos e turistas, movimentam a economia do Estado. Impulsionados também pelo verão, os primeiros quatro meses deste ano foram bem melhores que o mesmo período dos anos de 2020 e 2021, com média de ocupação hoteleira de quase 60%”, destaca o presidente da entidade, Luciano Lopes.

O anúncio do São João da Bahia, completa o dirigente da Abih, deixou animado o setor turístico, já que a festa traz uma grande movimentação para o estado, com fluxo de turistas tanto da Bahia, como de outras regiões. “Com o feriado junino, acreditamos em um cenário positivo e de movimento para todo o trade. Só aqui, em Salvador, terá programação aberta ao público em três regiões diferentes da cidade, sendo eles no Subúrbio Ferroviário, Pelourinho e no Parque de Exposições. Além da capital, o São João da Bahia, viabilizado pelo governo estadual, vai apoiar festejo juninos no interior do estado, despertando boas expectativas para a ocupação hoteleira”, avalia.

Artesanato e agricultura

As prefeituras municipais acreditam em uma arrecadação maior em relação a de 2019. Cachoeira, no Recôncavo Baiano, por exemplo, deverá ter um giro financeiro de R$ 1 a R$ 1,5 milhão no período, segundo o secretário de Cultura de Cachoeira, Eduardo Morais. O município do Recôncavo Baiano promove o São João Feira do Porto, tradicional desde a década de 1970, assim chamado porque produtores de cidades vizinham desembarcavam seus produtos artesanais e agrícolas no Porto de Cachoeira, no dia da festa. “Nosso município se transforma em uma vila, com uma programação musical bem planejada, e acreditamos que, este ano, haverá um crescimento de cerca de 30% de público, decorrente do crescimento do fluxo turístico em geral, após dois anos de pandemia”, avalia o gestor.

O prefeito de Candeias, Pitágoras Alves, também está considerando um aumento de público no Arraiá do Aconchego 2022 e um crescimento das vendas do comércio do município da Região Metropolitana de Salvador em torno de 30% a 40%. No último São João (2019), passaram pelo local nos três dias de festa cerca de 30 mil pessoas, conforme o gestor. “Com a grade de shows remodelada e trazendo os melhores nomes artísticos do cenário musical, a expectativa é que esse público cresça consideravelmente. Ficamos dois anos sem o nosso ‘arraiá’, que é conhecido por ser o maior da região. Neste ano, a prefeitura preparou uma grade com diversidade de cantores e bandas nacionais e da região para trazer alegria e muito forró, entre 24 e 26 de junho”, revela.

Juazeiro, na região Centro-Norte da Bahia, não tem um histórico de grandes festas juninas, mas a programação para o mês de junho já está sendo preparada, como o Santo Antônio das Tradições, evento que acontece na orla da cidade, de 9 a 13, com a proposta de valorizar os artistas da terra. “Para 2022, a nossa gestão, que teve início no ano passado, programou um ciclo junino, que começa com os festejos da Padroeira de Santa Teresinha, no distrito de Carnaíba do Sertão. No período do São João, a festa será no interior, em Juremal, outro grande distrito do município. Como este ano marca a retomada dos eventos após a pandemia, a expectativa é que haja um grande público e que muita gente saia de casa para comemorar e festejar”, diz a prefeita Suzana Ramos.

O São João deste ano em Luís Eduardo Magalhães também promete ser “um dos maiores sucessos, como em todo canto do Nordeste”, conforme o prefeito Júnior Marabá. “Passamos dois anos por uma pandemia que deixou a nação forrozeira com saudades das comemorações juninas. Isso deverá aquecer ainda mais o que já é um período festivo bastante propício para o comércio. Tem muitos municípios que consideram o São João como mais um Natal em termos de vendas. Nós vamos festejar o São João nos dias 16, 17 e 18 de junho, uma semana antes da data tradicional, visando atrair o maior número de pessoas da região à nossa cidade para assistir a shows de nomes como Wesley Safadão, Bel Marques, Thiago Aquino, Desejo de Menina e Forró dos Plays. Já os dias 24 e 25 estão reservados para a apresentação das quadrilhas regionais e atrações locais”.

Já em outras cidades, os festejos de São Pedro terão mais evidência. É o caso de Eunápolis, no Sul da Bahia, com o seu já conhecido “Pedrão de Eunápolis”, promovido pela prefeitura municipal. O evento, que acontece de 29 de junho a 3 de julho, atrai turistas de várias regiões e é considerado um importante gerador de emprego e renda. Depois de dois anos sem acontecer, serão cinco dias de festa com atrações nacionais, que se apresentarão no palco principal, além de artistas locais. Com o tema “Encontro de São João com Pedrão”, o evento deverá atrair mais de 100 mil pessoas por noite. Antes, de 13 a 26 de junho, a gestão municipal promove a festa de São João nos bairros e na zona rural, com atrações locais.

Conteúdo A Tarde

Compartilhe
CONTINUE LENDO

BAHIA

Motorista de carro fica ferido após invadir contramão e bater em van, em Lauro de Freitas

Acidente aconteceu na Avenida Santos Dummont, na madrugada desta quinta-feira (26). Homem também se recusou a apresentar carteira de habilitação e a fazer o teste do bafômetro.

Compartilhe

Publicado

em

Foto: Arquivo pessoal

O motorista de um carro ficou ferido após invadir contramão e bater em uma van, na Avenida Santos Dummont, que fica em Lauro de Freitas, Região Metropolitana de Salvador. O acidente aconteceu na madrugada desta quinta-feira (26).

A batida aconteceu por volta das 4h40. O motorista da van seguia no sentido para Lauro de Freitas, quando foi surpreendido pelo carro. Ele tentou desviar do veículo, mas não conseguiu evitar a batida. O impacto foi tão forte, que os airbags do carro foram acionados.

Equipes da Secretaria de Trânsito, Transporte e Ordem Pública de Lauro de Freitas (Settop) foram chamadas e estiveram no local, para fazer o ordenamento do trânsito e limpeza da via, porque óleo e fluidos do carro vazaram na pista.

Durante abordagem, o motorista do carro se negou a apresentar a carteira de habilitação, e também se recusou a fazer o teste do etilômetro, mais conhecido como teste do bafômetro, que analisa se há concentração de álcool no organismo.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado e prestou socorro ao motorista do carro, que foi levado para uma unidade de saúde. O estado dele não foi divulgado. Os dois veículos só foram retirados da pista por volta das 7h, quando o trânsito começou a voltar ao normal.

Por causa da batida, que interrompeu o tráfego na pista, um congestionamento em torno de três quilômetros se formou no local. O motorista da van não teve ferimentos.

Conteúdo G1

Compartilhe
CONTINUE LENDO

BAHIA

Número de famílias em extrema pobreza cresce 14,5% em Salvador

Classificação engloba grupos com rendas familiares de até R$ 105 por pessoa

Compartilhe

Publicado

em

Foto: Marcello CasalJr/Arquivo Agência Brasil

O número de famílias em situação de pobreza e extrema pobreza cresceu mais de 14% em Salvador, neste ano, em comparação com o ano passado. A análise foi feita pelo portal g1, a partir de dados coletados pelo Cadastro Único (CadÚnico) da capital baiana.

Enquanto em dezembro de 2021, havia 212.118 famílias em situação de extrema pobreza na capital baiana, segundo a Secretaria Municipal de Promoção Social, Combate à Pobreza, Esportes e Lazer (Sempre), até o dia 16 de abril, este número passou para 242.873 famílias.

Ou seja, houve um crescimento de 14,49% em apenas quatro meses. O governo federal classifica como extrema pobreza as rendas familiares de até R$ 105 por pessoa.

Já em situação de pobreza, com renda entre R$ 105,01 e R$ 210 por pessoa, estão atualmente 39.979 famílias soteropolitanas. Até o final do último ano, 35.050 famílias estavam nesta faixa de renda mensal. Neste caso, o aumento foi de 14,06%, em 2022.

Metro1

Compartilhe
CONTINUE LENDO

Mais Lidas

novo