conecte-se conosco



POLÍTICA

Partidos têm até dia 31 para pedir registro de federações partidárias

Nova regra permite que duas ou mais siglas atuem em conjunto.

Compartilhe

Publicado

em

Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

Até o dia 31 deste mês, a Justiça Eleitoral encerra o prazo para a oficialização de federações partidárias. Inédita no país, a nova regra, criada depois de as coligações partidárias serem extintas para pleitos regionais e mantidas apenas para eleições majoritárias, permite que duas ou mais siglas atuem em conjunto. Inicialmente, a data final para o registro era 1º de março, mas uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) prorrogou o prazo.

Diferentemente das coligações, onde a parceria poderia ser desfeita assim que se encerrasse o processo eleitoral, nas federações os partidos mantêm sua autonomia, mas deverão atuar como um só desde o período eleitoral, quando os candidatos vão concorrer a cargo político, até o fim dos quatro anos do mandato, caso sejam eleitos. O eventual descumprimento da regra poderá causar ao partido dissidente a impossibilidade de federar com outras siglas durante as duas próximas eleições, ou até completar o prazo mínimo remanescente.

Aprovadas pelo Congresso no ano passado, as federações foram criadas para tentar minimizar os problemas criados pela pulverização partidária no país, que tem 32 siglas de correntes variadas. Alguns desses partidos sequer conseguiram eleger representante no Parlamento. Unidas, as agremiações também fundem o tempo de televisão para propaganda eleitoral e recursos que recebem para campanhas e manutenção dos partidos.

Agência Brasil

Compartilhe
CONTINUE LENDO

POLÍTICA

AL-BA não terá recesso parlamentar de meio de ano, garante Adolfo Menezes

A expectativa de alguns servidores da AL-BA era de que o presidente da Casa decretasse um recesso de 30 dias a partir da próxima sexta-feira (1º).

Compartilhe

Publicado

em

Foto: Divulgação / AL-BA

A Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) não terá recesso parlamentar de meio de ano em 2022. Foi o que garantiu o presidente da Casa, deputado estadual Adolfo Menezes (PSD), em entrevista ao Bahia Notícias.

A expectativa de alguns servidores da AL-BA era de que o presidente da Casa decretasse um recesso de 30 dias a partir da próxima sexta-feira (1º). Mas, de acordo com Adolfo, não há chance disso ocorrer neste ano.

“Essa informação está errada. Não haverá recesso nenhum. Neste ano, continuaremos trabalhando normalmente durante o mês de julho”, afirmou Adolfo ao BN nesta terça-feira (28).

Perguntado se havia previsão de uma nova sessão no plenário da AL-BA, Adolfo revelou que os líderes do governo, Rosemberg Pinto (PT), e da oposição, Sandro Régis (UB), estavam conversando para chegar a um acordo na construção da pauta. Entre os textos que devem ser votados até o final de julho está a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), comumente apreciada antes do recesso do meio do ano.

“Eles estão conversando neste exato momento. É provável que hoje a noite mesmo haja uma definição sobre isso e tenhamos uma sessão no plenário amanhã, com divulgação no Diário Oficial desta quarta-feira”, contou o presidente da AL-BA.

Após a entrevista de Adolfo ao Bahia Notícias, a assessoria da AL-BA confirmou a sessão para as 13h desta quarta, com a votação do Projeto de Lei Complementar nº 145/2022, de autoria do Poder Executivo.

A última sessão no plenário da AL-BA ocorreu há duas semanas, no dia 15 de junho, quando um acordo entre governistas e oposicionistas permitiu a aprovação de seis projetos de lei. Na semana passada, entretanto, já em clima de São João, não houve trabalhos na sala principal da Casa legislativa.

Bahia Notícias

Compartilhe
CONTINUE LENDO

POLÍTICA

Datafolha: 47% reprovam governo Bolsonaro; aprovação é de 26%

No último levantamento, em maio, índice negativo tinha sido de 48%. A aprovação era de 25%. Oscilação está dentro da margem de erro.

Compartilhe

Publicado

em

Foto: Agência Brasil

Levantamento do Instituto Datafolha divulgado no final da noite desta quinta-feira (23) pelo site do jornal “Folha de S.Paulo” mostrou que 47% dos entrevistados consideram o governo de Jair Bolsonaro ruim ou péssimo. Na pesquisa anterior, em março, o índice de reprovação era de 48%. A oscilação está dentro da margem de erro da pesquisa, que é de 2% para mais ou para menos. 26% aprovam a gestão.

Veja os resultados da pesquisa:

Ótimo/bom: 26% (25% no levantamento de maio, 25% em março; 22% em dezembro)
Regular: 26% (27% no levantamento de maio; 28% em março; 24% em dezembro)
Ruim/péssimo: 47% (48% no levantamento de maio; 46% em março; 53% em dezembro)
Não sabe: 1% (1% no levantamento de maio, 1% em março; 1% em dezembro)

A pesquisa ouviu 2.556 pessoas com 16 anos ou mais nos dias 22 e 23 de junho em 181 cidades brasileiras. A margem de erro máxima é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Reprovam mais o governo atual os nordestinos, as mulheres e os mais pobres.

Bolsonaro segue como presidente com a pior avaliação em igual tempo de mandato entre todos os presidentes eleitos após a redemocratização do país. Veja a comparação:

José Sarney (Outubro de 1988) *

  • Ótimo/bom: 7%
    Regular: 24%
    Ruim/péssimo: 65%
    Não sabe: 4%
  • Pesquisa realizada em apenas dez capitais

Fernando Henrique Cardoso (Junho de 1998)

  • Ótimo/bom: 31%
  • Regular: 41%
  • Ruim/péssimo: 25%
  • Não sabe: 3%

Lula (Julho de 2006)

  • Ótimo/bom: 38%
  • Regular: 40%
  • Ruim/péssimo: 21%
  • Não sabe: 1%

Dilma (Julho de 2014)

  • Ótimo/bom: 35%
  • Regular: 38%
  • Ruim/péssimo: 26%
  • Não sabe: 1%

Pesquisa estimulada de intenções de voto no 1º turno

Outras pesquisa do Datafolha divulgada na tarde desta quinta mostrou os índices de intenção de voto para a eleição presidencial de 2022. Lula lidera a corrida presidencial, segundo o levantamento. Veja o resultado:

Pesquisa estimulada de intenções de voto no 1º turno

Lula (PT): 47%
Jair Bolsonaro (PL): 28%
Ciro Gomes (PDT): 8%
André Janones (Avante): 2%
Simone Tebet (MDB): 1%
Pablo Marçal (Pros): 1%
Vera Lúcia (PSTU): 1%
Em branco/nulo/nenhum: 7%
Não sabe: 4%

Felipe d’Avila (Novo), Sofia Manzano (PCB), Leonardo Péricles (UP), Eymael (DC), Luciano Bivar (UB) e General Santos Cruz (Podemos) não pontuaram..

O instituto também pesquisou os votos válidos no primeiro turno – excluídos os brancos e nulos. Pelo percentual, Lula venceria no primeiro turno se a disputa fosse hoje.

Votos válidos

Lula (PT): 53%
Bolsonaro (PL): 32%

Conteúdo G1

Compartilhe
CONTINUE LENDO

Mais lidas

Pré-candidatos ao governo da BA devem percorrer mais de 2 mil km durante festas de São João

Publicado

em

Foto: Reprodução / São João na Bahia

O período de festas de São João não será somente atrativo para os baianos que pensam em se divertir com o forró. Os pré-candidatos ao governo da Bahia devem percorrer mais de 2 mil quilômetros em mais de 18 municípios durante as festas juninas a partir desta quinta-feira (23).

Quem irá percorrer o maior número de cidades e de quilômetros é Jerônimo Rodrigues (PT). O pré-candidato petista vai se deslocar 1.137 km em mais de dez cidades. Nesta quinta, Rodrigues estará em Irecê e em Amargosa. Já na sexta (24), Jerônimo estará em Gandu, Castro Alves e Dom Macedo Costa. O sábado (25) terá a presença do pré-candidato em Cachoeira, Cruz das Almas, Santo Antônio de Jesus e Jaguaquara. Fechando o período, no domingo (26), em Santo Estêvão.

Já ACM Neto (União) estará em cinco cidades no período, percorrendo 696 quilômetros durante o São João. Neto inicia a agenda junina na quinta (23), em Ponto Novo e Senhor do Bonfim. Na sexta (24), o pré-candidato terá um dia de folga, sem atividades políticas. Já no sábado (25), o ex-prefeito de Salvador vai até Santo Antônio de Jesus e fecha as visitas juninas na cidade de Rio Real no domingo (26).

O pré-candidato João Roma (PL) irá percorrer 329 quilômetros nos dias de São João. Os eventos do ex-ministro da Cidadania terão início na cidade de Cruz das Almas. Estão previstas também visitas a partir desta quinta (23) a Amargosa, Santo Antônio de Jesus e Serrinha. Durante os festejos juninos, Roma ficará hospedado em Cruz das Almas, de onde se deslocará para as outras cidades.

O pré-candidato do PSOL, Kléber Rosa, não irá ao interior do estado. O psolista indicou que irá trabalhar no período junino. “Só estarei de licença da minha atividade profissional, a partir de julho. Embora esteja com o recesso junino na educação, na segurança pública, no dia 23, na véspera do São João, vou estar de plantão na delegacia virtual. Estive já no forró dos professores da APLB e vou estar participando de outros eventos da mesma natureza”, disse Kléber Rosa ao Bahia Notícias.

SÃO JOÃO E ELEIÇÃO

A ida dos pré-candidatos ao interior deve aproximar cada vez mais os políticos das lideranças e dos eleitores. Para o cientista político Cláudio André Souza, as agendas, especialmente no novo formato eleitoral, ganharam cada vez mais destaque, incluindo o São João.

“A nossa legislação dá um status enorme para a campanha, mas ao diminuir o período de campanha eleitoral para 45 dias, a pré-campanha se tornou muito importante. É o contato dos pré-candidatos com os leitores, só não pode pedir voto, o pedido explícito. Não sendo um contato dessa maneira vale tudo”, pontuou Cláudio André.

O cientista indicou que, além do prestígio à festa, o contato direto com os eleitores é fundamental. “Essa agenda dos pré-candidatos no interior é importante pela visibilidade, estar diante de turistas, grandes centros urbanos migrando para outras cidades. Existe a visibilidade pública e é muito importante a interação. Não podemos desconsiderar o eleitorado baiano, que é ligado a uma ruralidade, é importante o contato face a face. É muito valorizado na Bahia e no Nordeste. Existe pesquisa”, acrescentou.

Bahia Notícias

Compartilhe
CONTINUE LENDO

Mais Lidas

novo