conecte-se conosco



BAHIA

São João deve movimentar mais de R$ 550 milhões em cidades de ‘médio porte’, diz SDE

A secretaria destacou a alta nas procuras por produtos típicos da culinária durante o feriado de São João, principalmente em feiras e mercados municipais.

Compartilhe

Publicado

em

Foto: Joá Souza/GOVBA

Um levantamento realizado pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico da Bahia (SDE-BA) estimou que as festividades de São João movimentem mais de R$ 550 milhões entre os municípios de “médio porte”. Em pesquisa divulgada nesta segunda-feira (20), a SDE espera que as festas juninas gerem cerca de 40 mil empregos temporários.

A secretaria destacou a alta nas procuras por produtos típicos da culinária durante o feriado de São João, principalmente em feiras e mercados municipais.

“O comércio baiano está esperançoso! As festas juninas trazem ótimas oportunidades para atraírem ainda mais consumidores e aumentarem a receita do território baiano. O mês de junho impulsiona a venda de diferentes produtos para este mês, além de contribuir para o turismo nos municípios do Estado e gerar empregos nas regiões. É um momento de valorização cultural para a Bahia”, destaca o secretário de Desenvolvimento Econômico, José Nunes.

De acordo com a SDE, os setores que mais se destacam com aumento no seu volume de vendas e de serviços prestados nesse período são as farmácias, padarias, lanchonetes, lojas de roupas e calçados; o de turismo, com a chegada de turistas de outros estados, por meio dos aeroportos e as hospedagens no segmento hoteleiro em todo interior; o setor de transportes com a grande procura por passagens áreas, vans e locação de veículos.

Em Salvador, o presidente da Associação da Indústria de Hotéis da Bahia, Luciano Lopes, afirmou que espera uma taxa de ocupação de 50% nos hotéis em Salvador. O empresário afirmou que, antes da pandemia, já chegou a ter um índice de 35% durante o São João.

Bahia Notícias

Compartilhe
CONTINUE LENDO

BAHIA

Gás de cozinha fica mais caro na Bahia a partir desta sexta

Este já é o quarto reajuste no preço do produto somente em 2022.

Compartilhe

Publicado

em

Foto: Arquivo/Agência Brasil

Julho já começa com uma péssima notícia para os baianos. O gás de cozinha vai ficar mais caro no estado a partir desta sexta-feira (1º). Segundo o Sindicato de Revendedores (Sindrevgás) o preço para as distribuidoras foi reajustado em R$ 4,90 e o repasse para o consumidor ficará entre R$ 5 e R$ 7.

A medida faz valer a política da Acelen , empresa que controla a refinaria Mataripe (ex-RLAM), de que no dia 1° de cada mês irá rever os preços praticados, podendo haver aumento ou diminuição no valor do produto. De acordo com a TV Bahia, a Acelen não afirmou o aumento, porém, segundo o sindicato, a informação já foi passada para as revendedoras.

Segundo o levantamento semanal da Agência Nacional de Petróleo (ANP), entre os dias 19 e 25 de junho, o preço médio do botijão vendido na Bahia era de R$ 105,78. O valor mais caro do produto no estado foi de R$ 130,00 e o mais barato foi encontrado por R$ 90,00.

Este já é o quarto reajuste no preço do produto somente em 2022. A última alteração aconteceu no início de maio, quando ao contrário das outras vezes, o botijão ficou 10,7% mais barato.

Bahia Notícias

Compartilhe
CONTINUE LENDO

BAHIA

Bahia tem mais de 8 mil casos ativos de Covid-19; veja mais dados da doença nas últimas 24h no estado

Segundo Sesab, nas últimas 24 horas foram registrados 2.744 novos casos conhecidos.

Compartilhe

Publicado

em

Foto: SUAMY BEYDOUN/AGIF - AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDO

A Bahia segue com números de pacientes com Covid-19 em alta. Nesta quarta-feira (29), o estado tem 8.075 pessoas com coronavírus ativo. O estado registrou uma mortes de pessoas nas últimas 24 horas, vítimas da Covid-19, e 2.744 novos casos ativos, de acordo com o boletim publicado pela Secretaria da Saúde do estado (Sesab) nesta quarta.

De acordo com o órgão, a taxa de novos casos corresponde a um crescimento de +0,17% em relação ao boletim anterior, divulgado na terça (28), e 1.614 pessoas foram consideradas recuperadas nas últimas 24 horas.

Desde o início da pandemia, a Bahia contabiliza 30.025 mortes causadas pela doença, com 1.572.789 de casos confirmados.

O boletim desta quarta-feira registra ainda que 1.908.319 casos foram descartados e 342.588 permanecem em investigação.

Estes dados representam notificações oficiais compiladas pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica em Saúde da Bahia (Divep-BA), com as vigilâncias municipais e as bases de dados do Ministério da Saúde até às 17h desta quarta.

Os dados ainda podem sofrer alterações devido à instabilidade do sistema do Ministério da Saúde. A base ministerial tem, eventualmente, disponibilizado informações inconsistentes ou incompletas.

Todos os detalhes sobre o boletim epidemiológico podem ser conferidos na plataforma disponibilizada pela Sesab na internet ou pela Central Integrada de Comando e Controle da Saúde do órgão.

Vacinação

Até o momento a Bahia tem 11.615.288 pessoas vacinadas com a primeira dose, 10.688.481 com a segunda dose ou dose única, 6.317.522 com a dose de reforço e 689.976 com o segundo reforço.

Do público de 5 a 11 anos, 970.904 crianças já foram imunizadas com a primeira dose e 553.929 já tomaram também a segunda dose.

Leitos

A Bahia tem 456 leitos ativos para tratamento da Covid-19. Desse total, 141 estão com pacientes internados, o que representa taxa de ocupação geral de 31%.

Desses leitos, 190 são de UTI adulto e estão com taxa de ocupação de 35% (66 leitos ocupados).

Nas UTIs pediátricas, 10 das 23 vagas estão com pacientes (43% de ocupação). Os leitos clínicos para adultos estão com 27% de ocupação e os infantis, com 11%.

Conteúdo G1

Compartilhe
CONTINUE LENDO

BAHIA

Bahia tem alta na geração de empregos em maio; mais de 16 mil novos postos foram registrados

Estado liderou a geração de empregos no mês no Nordeste. Salvador registrou 4.326 postos no mês.

Compartilhe

Publicado

em

Foto: Joá Souza/Futura Press via Estadão Conteúdo

Maio foi o mês de 2022 no qual mais empregos foram gerados na Bahia. Ao todo, foram 16.342 novos postos, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

Durante o mês, 76.499 funcionários foram contratados e 60.157 desligados. Com esse saldo positivo, o estado passou a contar com 1.860.558 vínculos celetistas ativos, uma variação de 0,89% sobre o número do mês anterior. Já a capital do estado registrou um saldo de 4.326 postos de trabalho celetista.

Com os números de maio, a Bahia ocupou a primeira posição na geração de postos entre os estados nordestinos. A nível nacional, o estado ficou na quarta colocação.

Todos os cinco grandes grupamentos de atividades econômicas registraram saldo positivo de postos de trabalho. O segmento de Serviços (+4.887 vagas) foi o que mais gerou postos de trabalho celetistas, seguido da Indústria geral (+4.037 vagas), Construção (+3.649 postos), Comércio; reparação de veículos automotores e motocicletas (+2.258 vagas) e Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura.

No acumulado de 2022, levando em conta a série ajustada, que incorpora as informações declaradas fora do prazo, a Bahia preencheu 62.906 novas vagas. Dentre as vagas, Salvador registrou 18.704 novos postos.

O acumulado do ano faz com que a Bahia ficasse à frente das demais do Nordeste, seguida de Ceará e Maranhão. Em nível nacional, o estado ficou na oitava posição.

Empregos no Brasil

No mês, o Brasil computou um saldo de 277.018 vagas, enquanto o Nordeste registrou um ganho de 48.847 novos postos.

Na Região Nordeste, a Bahia (+16.342 postos) foi seguida pelos estados do Ceará (+7.472 postos), Pernambuco (+6.508 postos), Maranhão (+4.910 vagas), Rio Grande do Norte (+3.519 postos), Alagoas (+3.435 postos), Paraíba (+3.128 postos), Piauí (+2.678 postos) e Sergipe (+855 postos).

Do ponto de vista da variação relativa mensal do estoque, o estado de Alagoas (+0,95%) foi acompanhado pelo Maranhão (+0,92%), a Bahia (+0,89%), Piauí (+0,88%), Rio Grande do Norte (+0,80%), Paraíba (+0,72%), Ceará (+0,62%), Pernambuco (+0,51%) e Sergipe (+0,30%).

O crescimento do emprego celetista também foi observado no Brasil e no Nordeste no acumulado de janeiro a maio, com 1.051.503 e 96.913 novas vagas, respectivamente.

Conteúdo G1

Compartilhe
CONTINUE LENDO

Mais Lidas

novo