conecte-se conosco




EDUCAÇÃO

Universidade Federal da Bahia oferece mais de seis mil vagas em 98 cursos do Sisu para o ano de 2024

Inscrições começam na próxima segunda-feira (22) e seguem até dia 25 de janeiro.

Compartilhe

Publicado

em

Foto: Divulgação/UFBA

A Universidade Federal da Bahia (Ufba) vai oferecer 6.170 vagas pelo Sistema de Seleção Unificada (SISU) em 98 cursos de graduação, distribuídos nos campi de Salvador, Vitória da Conquista e Camaçari, através do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

As inscrições começam na próxima segunda-feira (22) e seguem até o dia 25 de janeiro. Os interessados devem acompanhar o edital de convocação para realizar a matrícula por meio do site da instituição de ensino.

Neste ano, o Sisu terá apenas uma edição para contemplar todas as vagas ofertadas. O sistema vai funcionar apenas no mês de janeiro e os candidatos serão selecionados para os dois semestre do ano no mesmo momento.

O resultado do processo seletivo será divulgado no dia 30 de janeiro, pelo Portal Único de Acesso. A chamada para a matrícula regular será entre os dias 1° e 7 de fevereiro. Os inscritos que não forem aprovados terão de 30 de janeiro a 7 de fevereiro para participar da lista de espera.

A Ufba, seguindo as definições da nova Lei de Cotas, vai reservar vagas para as categorias: pretos, pardos, indígenas, quilombolas, pessoa com deficiência e escola pública, além do critério de baixa renda, aplicado nesta edição do Sisu com nova regra, com um salário-mínimo per capita.

Uma das novidades da atualização da Lei de Cotas é que a classificação dos candidatos inscritos será efetuada primeiramente na modalidade de ampla concorrência.

Os cotistas de reserva de vagas serão classificados inicialmente na ampla concorrência, desde que tenham notas suficientes para serem classificados na ampla concorrência. As mudanças foram incorporadas pelo Sisu para o ano de 2024.

Conteúdo G1

Compartilhe
CONTINUE LENDO

EDUCAÇÃO

Inscrições para o Prouni começam nesta terça-feira

São oferecidas 243.850 bolsas, diz MEC

Compartilhe

Publicado

em

Foto: Rafa Neddermeyer/Agência Brasil

As inscrições para o processo seletivo do Programa Universidade para Todos (Prouni) do segundo semestre de 2024 começam nesta terça-feira. Os interessados terão até sexta-feira (26) para participar do processo seletivo. Para isso, basta acessar o Portal Único de Acesso ao Ensino Superior e concorrer a uma das 243.850 bolsas oferecidas nesta edição.

As inscrições são gratuitas, e a previsão é que os resultados da 1ª e 2ª chamadas sejam anunciados nos dias 31 de julho e 20 de agosto, respectivamente. O prazo para manifestação de interesse na lista de espera vai do dia 9 ao dia 10 de setembro; e o resultado da lista de espera sairá em 13 de setembro.

“Para participar do processo seletivo, é necessário que o candidato tenha participado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) nas edições de 2022 ou 2023, obtendo nota mínima de 450 pontos na média das cinco provas e nota acima de zero na redação”, informa o Ministério da Educação (MEC).

É também necessário que o candidato se enquadre nos critérios socioeconômicos – incluindo renda familiar per capita que não exceda um salário-mínimo e meio para bolsas integrais e três salários-mínimos para bolsas parciais – e esteja cadastrado no login Único do governo federal que pode ser feito no portal gov.br.

“No momento da inscrição, é preciso: informar endereço de e-mail e número de telefone válidos; preencher dados cadastrais próprios e referentes ao grupo familiar; e selecionar, por ordem de preferência, até duas opções de instituição, local de oferta, curso, turno, tipo de bolsa e modalidade de concorrência dentre as disponíveis, conforme a renda familiar bruta mensal per capita do candidato e a adequação aos critérios da Portaria Normativa MEC nº 1, de 2015”, explicou MEC.  

Segundo o ministério, a escolha pelos cursos e instituições pode ser feita por ordem de preferência. Informações mais detalhadas sobre oferta de bolsas (curso, turno, instituição e local de oferta) podem ser acessadas na página do Prouni. 

Agência Brasil

Compartilhe
CONTINUE LENDO

EDUCAÇÃO

Taxa de analfabetismo na população quilombola é de 18,3% na Bahia

Segundo o IBGE, o percentual é 45,1% maior do que nos cidadãos em geral (12,6%)

Compartilhe

Publicado

em

Crédito: Arisson Marinho/ CORREIO

A Bahia tem 56.612 quilombolas com 15 anos ou mais que não sabem escrever um simples bilhete. Eles representam 18,3% das 309.736 pessoas autodeclaradas no Censo Demográfico de 2022. Os dados foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), nesta sexta-feira (19), e a taxa de analfabetismo é a 9ª maior do país.

O Censo apontou também que existe na Bahia 48 territórios quilombolas oficialmente delimitados, que esse é o 3º menor percentual do Brasil, atrás de Maranhão (5.354) e Pará (4.345), e que nesses locais a taxa de analfabetismo é ainda maior, sobe para 21,4%.

Em Salvador, 15.897 pessoas de autodeclararam quilombolas durante o censo. Desse total, 13.390 tem 15 anos ou mais, sendo que 1.083 ou 8,1% não são alfabetizados. A taxa de analfabetismo entre quilombolas soteropolitanos é mais do que o dobro da verificada para a população em geral na capital (3,5%) e a 5ª maior entre as 22 capitais onde havia presença de quilombolas.

Na Bahia, 308 municípios têm presença de quilombolas. A situação mais crítica é em Campo Formoso, no Centro-Norte, onde das 2.149 pessoas ou 22,4% autodeclarados têm 15 anos ou mais de idade e não sabem ler nem escrever um bilhete simples. A cidade também se destacou por ter o 3º maior contingente de quilombolas não alfabetizados do país, atrás dos municípios maranhenses de Itapecuru Mirim (2.712) e Alcântara (2.336).

Entre os baianos, mais da metade da população quilombola acima de 65 anos não sabe ler nem escrever (53,4%). Nos territórios delimitados a taxa é de 60%, e na população em geral o percentual é de 36,7%. Em todas as situações a taxa de analfabetismo é maior entre os homens. O superintendente do IBGE na Bahia, André Urpia, informou que novos dado sobre essa população ainda serão divulgados.

“Temos vários recortes que ainda precisam ser feitos. A partir de novembro começamos a divulgar, por exemplo, o que são dados rurais e o que são dados urbanos. O que pode não fazer muita diferença em Salvador, mas é muito importante para municípios do interior. Vamos saber a escolaridade, o tempo de deslocamento dessa população para ter acesso a serviços, qual a renda média, enfim, muita informação que pode ajudar o poder público e a iniciativa privada na tomada de decisões”, explicou.

No Brasil o analfabetismo entre os quilombolas é de 19%. Das 1.015.034 pessoas autodeclaras 192.715 estão nessa situação. As maiores desigualdades entre as taxas de analfabetismo dos quilombolas comparado a população em geral estão no Nordeste, nos estados de Pernambuco (25,9% entre quilombolas e 13,4% na população total), Ceará (26,4% e 14,1%) e Alagoas (29,8% e 17,7%, respectivamente).

Confira o ranking do analfabetismo nas populações quilombolas:

  • Alagoas (29,3%)
  • Piauí (28,3%)
  • Paraíba (26,9%)
  • Ceará (26,3%)
  • Rio Grande do Norte (24%)
  • Sergipe (23,7%)
  • Maranhão (22,2%)
  • Bahia (18,2%)
  • Tocantins (16,5%)
  • Minas Gerais (16,2%)

Correio da Bahia

Compartilhe
CONTINUE LENDO

EDUCAÇÃO

Termina hoje prazo para convocação de vagas remanescentes do Fies

Chamada é referente ao primeiro semestre de 2024

Compartilhe

Publicado

em

Foto: Rafa Neddermeyer/Agência Brasil

Termina hoje (19) o prazo para a convocação das vagas remanescentes do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), que não foram preenchidas durante as etapas regulares de seleção do programa e são exclusivas para os estudantes efetivamente matriculados no curso, turno e local de oferta em que se inscreveram.

A convocação é referente ao primeiro semestre de 2024. Os candidatos podem conferir eventual pré-seleção por meio do Portal Único de Acesso ao Ensino Superior.

Pelas regras do Fies, os alunos devem estar obrigatoriamente cursando no momento da inscrição ou devem ter cursado o semestre com aproveitamento de, ao menos, 75% das disciplinas, caso o semestre já tenha acabado.

A prioridade para a seleção da lista de espera é para os candidatos com renda familiar per capita de até meio salário-mínimo inscritos no Cadastro Único (CadÚnico) dos programas sociais do governo federal.

“Nesses casos, também será possível solicitar a contratação de financiamento de até 100% dos encargos educacionais cobrados pelas instituições”, informou o Ministério da Educação.  

Verba
O Fies concede financiamento de até 100% dos custos de cursos de graduação em instituições privadas de educação superior.

Podem se inscrever os estudantes que tenham feito o Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) a partir de 2010 e tenham obtido média aritmética das notas nas provas igual ou superior a 450 pontos e nota superior a zero na redação.

Também é necessário possuir renda familiar mensal bruta, por pessoa, de até três salários-mínimos.

Agência Brasil

Compartilhe
CONTINUE LENDO

Mais Lidas